domingo, 21 de fevereiro de 2016

Lírico Sacro e Sorvete na Pedra - 21/02

Nenhum comentário
Nesse final de semana eu e Caio fomos a uma apresentação do Coral Lírico de Minas Gerais (com regência de Lincoln Andrade - que é bem bonzinho) na Basílica Gótica de Lourdes. Eles estão com esse programa (que não teve divulgação nenhuma, ou seja, igreja vaziérrima) e apresentando em algumas igrejas de BH com as novas peças do repertório do Coral.


Dessa vez o programa (adorei, curtíssimo) incluía:
- Felix Mendelssohn (Sinfonia n°2)
- Giuseppe Verdi (Requiem)
- Charles Gounod (Romeu e Julieta)
- Carlos Gomes (O Guarani)
- Lindembergue Cardoso (Missa Brevis)
- Henrik Górecky


E foi maravilhoso, não fosse pelos repórteres da Globo com um holofote horroroso que era jogado na cara dos coitados dos cantores e na nossa cara também. O repórter tinha a audácia de chegar no meio da plateia e pedir pra alguns casais fazerem cara de interessados para ele poder filmar pra matéria. Muito empático. Pra não falar no fotógrafo que praticamente subia no piano para tirar fotos do pessoal cantando. Respeito: zero.

Aproveitei para fotografar a igreja depois da apresentação e antes de sair para comer (estava faminta já!)


Estávamos indo para o Quiznos até que... omg! Ele virou o Subway!? QUÊ? O único "concorrente" direto do Subway na cidade se tornou o próprio Subway!

Bem, seguindo o morro para a Savassi acabamos parando na Ice Creamy. É uma sorveteria nova que vende a ideia do "sorvete na pedra". Já ouvi gente aqui chamando de "sorvete na chapa", o que aumenta demais o Hype.


O lugar é bonitinho (podia ser bem mais), pequeno, cheio e bastante exposto. Do tipo que não dá pra se sentir totalmente à vontade ali no meio da Savassi. Fiquei aproximadamente 15 minutos ali dentro e reparei em pelo menos três pessoas diferentes entrando pedindo dinheiro e sorvete para quem tava sentado comendo. (E o lugar tava cheio. Síndrome do Los Niños)

Agora, sobre o sorvete: Foram 11 reais (ouch!) pelo tamanho médio (dividimos um, claro. Olha esse preço, omg <O>) Pegamos um basicão, sabor chocolate com morango e avelã.


O cara prepara lá na sua frente (digo, ele pega o sorvete, joga em cima da pedra, coloca 2 morangos - sim, DOIS morangos - e 6 avelãs, joga cobertura, mistura e coloca tudo no pote) e depois te entrega. Achei muito doce e sem graça. Se for para pagar 11 reais no sorvete prefiro ir no Lullo pegar um Negrissimo com Cookies, sem sombra de dúvidas.


Acho que o Hype não dura muito. Aqui em BH, pelo menos, ele não costuma durar. Aquele ponto em que eles abriram é conhecido por ser "amaldiçoado" também, quase nenhuma loja daquele quadro costuma ficar por muito tempo (talvez pela quantidade de assaltos naquela região?).

Enfim, comida + música + companhia = lyndo domyngo.
Agora, ansiosa pela venda de ingressos para a ópera de Romeu e Julieta que nos foi prometida lá na igreja. Só esperando que não se torne um novo Carmen modernete, como fizeram no ano passado.

Nenhum comentário :

Postar um comentário