domingo, 18 de outubro de 2015

Filme: A Colina Escarlate

Nenhum comentário


A Colina Escarlate
(Crimson Peak)

Ano: 2015
Duração: 105 minutos
Gênero: Drama, Fantasia, Horror
Pontuação: ** ( 3/5 )

"‘A Colina Escarlate‘ (Crimson Peak) acompanha o dia a dia de uma autora que, depois de ter seu coração roubado por um estranho sedutor, é arrastada para uma casa sombria no topo de uma montanha de barro vermelho-sangue – um lugar repleto de segredos que vão assombrá-la para sempre. Entre o desejo e as trevas, entre mistério e loucura, encontra-se a verdade por trás de Crimson Peak, a Colina Escarlate. "

(Sem SPOILERS! )

Eu não sou de filmes de terror, horror, susto, violência etc e tal, mas acabei topando assistir "A Colina Escarlate" depois de um convite irrecusável (e depois de ver o trailer com o Tom Hiddleston).

Cheguei no cinema já me preparando mentalmente para as cenas de horror que viriam, mas foi uma grande surpresa perceber que o filme não entrega exatamente o que propõe o trailer. Não, nada de terror, nada de horror (para além de cenas sanguinolentas que não fazem diferença alguma para a trama), nada de cenas que ficarão na sua mente te impedindo de dormir. O filme é tomado de uma estética bem particular, e algumas escolhas, infelizmente, não foram lá as melhores para o clima de tensão que ele deveria passar.


O grande tcham do filme, na minha opinião, é a paleta de cores usada: São dois tons + preto ou branco, dependendo da cena. Vemos amarelo sempre ligado à protagonista (uma alusão ao calor humano que ela parece trazer?), além dos tons vermelho, verde e preto em cenas que um espírito provavelmente aparecerá. Um pecado, porém, foi a inserção de várias transições de cena que mais pareciam aquelas transições horrendas do Power Point 1997.


Falando em espíritos, não precisa se preocupar. Ou eles são óbvios ou são estúpidos. Darão menos medo que dementadores de Harry Potter. Menos medo que Silent Hill em gráficos de PS1. Menos medo que a personalidade da irmã do Thomas, personagem de Tom Hiddleston.  Os espíritos estão tão deslocados da trama quanto a personalidade de boa parte dos personagens, abrindo vários buracos na compreensão da história que deveria ser contada.

O início é fantástico. Todo o desenrolar das falas, dos ambientes e das relação entre as personagens na primeira parte do filme realmente me convenceram. A maneira com que ele começou trazia tudo para ser um dos meus filmes favoritos do ano, e a velocidade com tudo ia se desenrolando sem atropelar a lógica da narrativa criou em mim a expectativa de um final estupendo. Mas é perceptível, com o passar das cenas, que o final, infelizmente, poderia ser um só. E o é (exatamente o que você espera que ele seja).

Fiquei bem decepcionada com o desenvolvimento das personagens. Como disse antes, muitos ou não tem personalidade ou ela existe em oscilações de cenas. As roupas, o figurino geral, a caracterização dos personagens e dos ambientes, a música e a iluminação são, sem sombra de dúvidas, impecáveis. E são esses elementos que fazem o filme valer a pena (e a bundinha do Tom que aparecem por 0.5 segundos. ahuhauhau). Já o CG é bem péssimo. Bem... obviamente CG - coisa que não pode acontecer nesse tipo de filme, né?


Outras coisas que você também não encontrará nesse filme (e o trailer faz parecer que você terá): Sensualidade, a vida de escritora da protagonista, espíritos tocando o terror e, até a última cena do filme, loucura.

Minha parte favorita (com relação às personagens) foi a atuação inicial do Tom Hiddleston (fangirl sry), o pai da protagonista e as reações faciais dele e as expressões subentendidas de Jessica Chastain que fazem com que você fique querendo adivinhar o mistério do filme o tempo todo.

Enfim, recomendaria o filme se você se enquadra em qualquer um desses parâmetros:
a) Fangirl do Tom Hiddleston
b) Fã de ambientações fantásticas
c) Designer de figurinos

Não, ele não é ruim. Mas também está longe de ser o filme do ano.
Saí com vontade de ver o tal filme de vampiro que o Lok--digo, Tom, fez.

Nenhum comentário :

Postar um comentário